Wicca é uma floresta, à luz da lua prateada ... uma clareira encantada com a luz das Fadas. Wicca é a gota de orvalho sobre as pétalas de uma flor, o calor do sol de verão na pele, a queda de folhas de outono colorido e a suavidade da neve do inverno na Terra. Wicca é luz e sombra e tudo o que está no meio. É a canção do vento, e a música das marés. Wicca é a sinfonia da vida! Ser uma bruxa é ser uma curadora, uma professora, uma investigadora, uma doadora, e uma protetora de todos os seres vivos.

Jogue com o Gato Místico

O Tarô de Marselha:
Marselha foi o maior centro de produção de tarôs, na Europa, nos séculos 17 e 18 – e, por dominar o mercado, seus baralhos fundaram um “estilo” que acabou influenciando os demais fabricantes até em outros países, que os copiavam. Como resultado, praticamente não existiram criações ou variações regionais importante, sobre o tarô, até o aparecimento do baralho Rider-Waite em 1911. Existem hoje diversas edições do “Tarô de Marselha”, que constituem reproduções ou restaurações de baralhos das casas editoras tradicionais.


O Tarô de Arthur Waite:

O baralho de Arthur Edward Waite (1857-1942) impresso com o nome de "The Rider Tarot Deck", tornou-se o mais difundido dentre os produzidos sob inspiração das chamadas escolas ocultistas que apareceram na Europa a partir de meados dos século 19. O desenho leve, luminoso, executado pela artista plástica Pamela Colman Smith (1878-1951) teve um peso inquestionável na ótima acolhida internacional dada a esse baralho inglês.




O Tarô Cigano:

Antes de os ciganos começarem a instalar seus acampamentos pelo centro-oeste da Europa, em meados do século XV, nobres e ricos de origem italiana e francesa já encomendavam aos artistas de seu tempo, a peso de ouro, coleções das 78 cartas, que hoje conhecemos por Tarô. Os ciganos, porém, associaram seu nome às cartas de jogar. A razão para isso é as mulheres ciganas incluirem entre suas habilidades a leitura de sorte, em especial a quiromancia, a predição pelas linhas das mãos. Para o nômade, que carrega poucos pertences, é um recurso prático: não exige instrumentos especiais nem providências complicadas. Basta a palma da mão do consulente. À medida que se desenvolveram as técnicas de impressão dos baralhos, os jogos se tornaram mais acessíveis e muitos ciganos passaram a utilizar as cartas para ler a sorte, já que são pequenas e simples de manejar.




Não existem indícios históricos que indiquem os ciganos como autores do baralho. Entre suas habilidades mais notáveis não se incluiam as artes plásticas nem a escrita e, muito menos, as técnicas de impressão em papel. No entanto, cabem eles muito bem como personagens dos trunfos.



A figura do cigano, no cenário europeu do século XVI, pode ser mesclado à dos peregrinos, monges-viajantes, ambulantes, andarilhos e nômades. Espíritos inquietos, aventureiros, que não conseguem permanecer em suas comunidades de origens. Cabem todos eles, muito bem, como representantes do arcano sem número (0 ou 22), Le Fol.

0 comentários: